Manutenção preventiva: o que é e por que você precisa dela
Segurança Como funciona

Manutenção preventiva: o que é e por que você precisa dela

Raphael Santos
Raphael Santos

Manutenção preventiva é uma expressão muito comum no vocabulário empresarial, já que a manutenção é essencial para que máquinas e equipamentos cumpram suas funções.

Mas não basta pensar em manutenção de maneira generalizada. Existem três principais tipos de manutenção e a manutenção preventiva é um deles.

Muitas vezes, a manutenção é imaginada como um sinônimo para “conserto” de equipamentos quando eles apresentam falhas. Essa visão está mais próxima do que chamamos de manutenção corretiva.

Como veremos, a manutenção preventiva busca justamente evitar que as máquinas precisem primeiro apresentar problemas de funcionamento para depois serem submetidas à manutenção.

Por mais que sua empresa trabalhe com equipamentos de última geração, com o tempo eles vão apresentar desgastes e o desempenho vai cair. Isso é inevitável.

Caso a empresa não conte com uma manutenção adequada, os equipamentos vão acabar parando, sendo possível consertá-los ou não.

Nesse tempo em que os equipamentos ficarão parados até a resolução do incidente, a produtividade e a qualidade do trabalho caem e sua empresa perde tempo e dinheiro.

Teste Hosts Green gratuito

Basicamente, a função da manutenção preventiva é evitar essa situação.

Com uma série de procedimentos, é possível avaliar e corrigir os problemas dos aparelhos de modo a evitar que eles parem.

Nos próximos tópicos, você vai saber o que é manutenção preventiva, quais são as suas vantagens e qual é a diferença entre ela, a manutenção corretiva e a manutenção preditiva.

Vamos lá?

O que é manutenção preventiva?

A manutenção preventiva envolve necessariamente a revisão, o controle e o monitoramento de todas as máquinas e equipamentos de uma empresa.

Trata-se de uma ação planejada e sistematizada, ou seja, você não espera que os equipamentos apresentem problemas para acionar a manutenção.

Da mesma maneira que ocorre com a manutenção corretiva, o equipamento não pode estar operando quando a revisão for realizada. Por isso há uma parada inevitável.

Contudo, na manutenção corretiva não é possível prever quando o equipamento precisará parar enquanto na manutenção preventiva o período de parada é estrategicamente planejado para não prejudicar a produção.

Assim, entendemos que a manutenção preventiva busca evitar as falhas enquanto a corretiva precisa corrigi-las em momentos muitas vezes inesperados.

A NBR 5462 define a manutenção preventiva como uma série de ações colocadas em prática para evitar prejuízos advindos de manutenções corretivas e substituições em sistemas industriais.

O objetivo é reduzir a probabilidade de falhas por conta do funcionamento incorreto ou intensivo dos equipamentos.

Como existem inúmeros modelos de máquinas e equipamentos, é claro que o momento adequado para a realização da manutenção preventiva será diferente em cada empresa.

Por isso é importante a atenção dos gestores com relação à produtividade e ao tempo de funcionamento para a definição do momento em que as manutenções serão realizadas.

A manutenção preventiva bem executada ajuda na definição do tempo de vida útil do equipamento, possibilitando o planejamento dos prazos de substituição dos itens desgastados.

Sobre os gatilhos da manutenção preventiva

Como vimos, não existe um momento específico para realizar a manutenção preventiva que funcione igualmente para qualquer empresa. Por isso, cada uma delas precisa contar com uma gestão de manutenção.

Quando se começa a traçar esse plano de manutenção preventiva, existem quatro fatores que podem ser utilizados como parâmetros. Eles são chamados de gatilhos.

Esses gatilhos podem ser compreendidos como avisos ou alertas para indicar quando a manutenção deve ser feita.

Veja abaixo quais são os gatilhos:

  • Tempo: a manutenção deve ser realizada a cada X meses de uso do equipamento;
  • Horas de funcionamento: a manutenção deve ser realizada a cada Y horas em que o equipamento for utilizado;
  • Produtividade: a realização da manutenção preventiva deve ser colocada em prática a cada W peças produzidas pelo equipamento;
  • Gatilho misto: a manutenção deve ser feita quando um ou outros entre os gatilhos acima ocorrer.

Diferenças entre manutenção preventiva, corretiva e preditiva

Além da divisão dos tipos de manutenção entre preventiva, preditiva e corretiva, há também a classificação em manutenção planejada e manutenção não planejada.

Nesse caso, as manutenções preventiva e preditiva seriam planejadas enquanto a manutenção corretiva seria não planejada.

Vamos ver abaixo as diferenças entre elas.

Monitore Grátis

Manutenção corretiva

Ao contrário do que ocorre com a manutenção preventiva, quando se utiliza a manutenção corretiva, é preciso que a máquina ou equipamento apresente falhas ou pare de funcionar para que a manutenção seja acionada.

Portanto, a manutenção corretiva é um método de remediação e não de prevenção. Por isso não é periódica e nem sistematizada.

Consequentemente, trata-se de um tipo de manutenção mais demorado e com custos mais elevados.

De todo modo, não é possível descartar totalmente a manutenção corretiva, pois muitas vezes, no período de implantação da manutenção preventiva ou da preditiva, ainda são detectados problemas inesperados.

Manutenção preventiva

Como já sabemos, o objetivo da manutenção preventiva é prevenir as falhas e defeitos. Ela também reduz a velocidade dos desgastes e permite o cálculo da vida útil do equipamento.

Por isso ela precisa ser programada e preparada antes que os problemas ocorram. Nesse sentido, o planejamento é uma palavra-chave.

Manutenção preditiva

A manutenção preditiva consiste na observação periódica das máquinas e equipamentos, com rotinas de inspeção para a coleta de dados relevantes.

Para isso, a empresa deve contar com colaboradores e ferramentas preparados para as ações de manutenção, como a inspeção visual e a análise de ruídos e vibrações.

A manutenção preditiva pode aumentar a vida útil dos equipamentos, descobrir com antecedência a necessidade de substituição de algum componente e diminuir a necessidade de manutenções emergenciais.

Vantagens da manutenção preventiva

Se você em sua gestão não colocar a manutenção como uma das prioridades em seu negócio por considerá-la um custo desnecessário, você estará cometendo um grande erro. Isso porque:

  1. Nenhum equipamento é a prova de falhas;
  2. Você gastará mais quando os equipamentos apresentarem falhas;
  3. Os colaboradores ficarão ociosos enquanto as máquinas são consertadas;
  4. E precisarão trabalhar em dobro após o conserto dos equipamentos, diminuindo assim a qualidade do trabalho prestado.

Se você ainda não está convencido, vamos encerrar este artigo com algumas das principais vantagens da manutenção preventiva:

Custos mais baixos

Já dizia o ditado “é melhor prevenir do que remediar”. E, além de melhor, é muito mais barato.

Quando o gestor não traça um plano de manutenção preventiva e é obrigado a recorrer à corretiva, os custos não são somente os valores gastos no conserto do equipamento.

Mesmo que o único custo fosse esse, ele já seria mais caro que um plano de manutenção programada.

Mas, há que se considerar também os custos para a empresa decorrentes do período em que o equipamento fica parado e, consequentemente, seus operadores também.

O atraso nas operações pode causar a insatisfação e a perda de clientes, o que para a empresa é um prejuízo imensurável.

Segurança

Obviamente, máquinas ou equipamentos em mau estado de conservação podem ser perigosos não só para as pessoas que os operam, mas para toda a empresa.

São muitos os acidentes que ocorrem em empresas em virtude do estado inadequado de funcionamento de equipamentos.

Nesses casos, além dos elevados custos para fazer o equipamento voltar a funcionar ou para substituí-lo, há também os danos físicos que os colaboradores podem sofrer.

Aumento da vida útil dos equipamentos

O fator tempo é uma questão primordial na vida de qualquer bom gestor ou empreendedor.

Comprovadamente, equipamentos submetidos a manutenções rotineiras duram mais do que aqueles que trabalham sem nenhum monitoramento até falhar.

Além disso, o tempo gasto em ações de prevenção é muito menor do que o necessário para consertar uma máquina que parou por apresentar defeitos.

Então, a justificativa de não fazer a manutenção preventiva para evitar perda de tempo com a parada desnecessária dos equipamentos é absurda.

Você prefere usar uma máquina constantemente até que ela tenha um defeito ou parar seu funcionamento em momento planejados para que sua vida útil seja aumentada?

Agora você certamente já está consciente sobre a importância da manutenção preventiva. Então, para que você a coloque em prática, recomendamos a leitura do artigo sobre manutenção programada. Assim você saberá como dar os primeiros passos para traçar o seu plano de manutenção. Boa leitura.

Teste Hosts Green gratuito


Junte-se à conversa.