O mercado de comércio eletrônico brasileiro está em alta. Um estudo da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico apontou uma previsão de crescimento desse setor de 16% em relação a 2018.

Isso equivale a um volume de vendas de R$ 79,9 bilhões somente este ano. Nada mal, não é mesmo?

A questão é que nem tudo são flores quando falamos em comércio eletrônico...

A qualidade desse setor no Brasil no EQI 2019 é 40 em uma escala que varia de 0 a 100. O mínimo aceitável para essa entidade é 60.

Os dados revelam que a experiência de compra do brasileiro no comércio eletrônico é ruim. No entanto, em relação aos outros sete países analisados pela pesquisa, o Brasil não está tão mal, aparecendo em 2º lugar, atrás apenas dos Estados Unidos.

As razões para esse resultado estão no que o EQI mostrou como os gargalos do comércio eletrônico brasileiro: avaliações (rating), comentários (review) e descrição dos produtos.

Diante desse cenário, quem acaba de criar uma loja virtual precisa estar atento às tendências do setor para conseguir reverter esses dados em seu negócio e obter números de sucesso.

E é para ajudá-lo a conhecer essas propensões que este texto foi criado. Aqui você vai conferir seis tendências que mapeamos para o comércio eletrônico que são esperadas pelos consumidores.

Quais são as tendências do comércio eletrônico no Brasil?

A todo momento, surgem novas inclinações de atuação no mercado que podem deixá-lo perdido, sem saber o que realmente vale a pena seguir.

Por isso, veja a seguir algumas tendências do comércio eletrônico que realmente valem a pena serem seguidas por você em seu site de vendas, as quais são esperadas pelos consumidores.

1. Novas modalidades de entrega

O consumidor não quer mais ficar esperando muito tempo para receber uma compra feita em comércio eletrônico. A tendência agora é oferecer:

Clique e retire (Click & Collect)

Modalidade em que o consumidor compra o produto pelo site e faz a retirada em uma loja física da empresa. Isso dá mais agilidade e diminui os gastos com frete.

Algumas lojas já disponibilizam esse formato aqui no Brasil, como Magazine Luiza e Carrefour.

Pontos de retirada

O consumidor compra no site e consegue retirar o produto em postos físicos específicos quando quiser. Esses locais não necessariamente são da mesma marca que o site de e-commerce em que o produto foi adquirido.

Podem ser lojas com espaço físico ocioso, o qual recebe as mercadorias compradas pela internet. A empresa brasileira Pegaki, por exemplo, presta serviços a e-commerces que desejam atuar com esse sistema de pontos de retirada.

Entrega no mesmo dia

Como o próprio nome indica, o consumidor compra um produto on-line e o recebe no mesmo dia. A Amazon, por exemplo, já oferece esse serviço em algumas localidades do Brasil.

Next Day

O cliente recebe o produto no dia seguinte à data em que a compra foi feita pela internet. Uma empresa brasileira que oferece esse serviço para e-commerce é a Loggi.

201917Jun_Hosts.green_ctablog_v4

2. Omnichannel

Trata-se da estratégia da empresa de estar em vários canais (como celulares, lojas físicas, web) de forma integrada.

Isso permite que o consumidor escolha a forma de comprar que considere a mais prática, explorando todas as possibilidades que tem de interagir com a marca. Aprenda mais sobre atendimento omnichannel clicando aqui.

A Centauro é uma empresa que vem apostando nesse formato, ao integrar as operações e o estoque de seu canal físico com o digital.

3. Automação do atendimento

Alguns clientes preferem ter o mínimo de contato humano possível ao realizar suas compras via comércio eletrônico. Por isso, a automação no atendimento está em alta no setor.

Uma das grandes ferramentas para fornecer essa automação para os clientes está no chatbot, um software que consegue conversar com clientes, como se fosse um robô inteligente.

Ele é vantajoso, pois está disponível 24 horas por dia, fornece mais agilidade ao cliente, economiza recursos da empresa, automatiza processos, entre outros.

4. Marketplace

No nosso artigo O que é marketplace: as vantagens e desvantagens desse modelo, é possível ver que esse formato de venda funciona como um verdadeiro shopping virtual.

Isso quer dizer que uma plataforma de comércio eletrônico funciona como um meio em que diversas lojas oferecem seus produtos, dando ao consumidor a liberdade de escolher onde vai comprar.

O marketplace é uma tendência, pois aumenta a oferta e variedade de produtos, deixando a compra mais dinâmica. Lojas Americanas, Amazon e MercadoLivre são exemplos dessa modalidade.

5. Facilidade para realizar compras recorrentes

Consumidores que adquirem produtos recorrentes se cansam de precisar passar pelo mesmo processo de compra toda vez.

Por essa razão, uma forte tendência para o e-commerce é a possibilidade de facilitar essas compras habituais, oferecendo facilidades, como clubes de assinatura.

Um exemplo é o e-commerce Petlove, um site brasileiro do segmento pet. Nele, o consumidor pode automatizar a compra, escolhendo os produtos e a frequência de entrega. Assim, a compra é fechada automaticamente, dando praticidade ao cliente.

6. M-commerce

Tudo que o consumidor de e-commerce deseja é cada vez mais praticidade. Por isso, está em alta o mobile commerce, também conhecido como m-commerce.

Nesse modelo, a transação comercial é feita através de dispositivos móveis, como smartphones e tablets. Para isso, geralmente o cliente acessa lojas pelo navegador ou utiliza um aplicativo da marca.

Um estudo apontou que 32% das transações de comércio eletrônico que ocorreram em 2018 foram feitas por dispositivos móveis (como smartphones e tablets), aumentando o faturamento do m-commerce em 30%.

Muitas lojas já estão apostando na oferta de app, como a Dafiti. É importante também que os sites sejam bem preparados para proporcionar a melhor experiência para o usuário, adotando um design de interação, por exemplo.

Todas essas tendências mapeadas nos mostram que o que mais o consumidor busca hoje é praticidade e agilidade (tanto para comprar quanto para receber o pedido), economizando esforços e tempo.

Por isso, se você tem ou deseja lançar um e-commerce, precisa sempre ficar de olho no comportamento dos usuários, de forma a oferecer uma excelente experiência para eles. Levar em conta fatores como a usabilidade do seu site pode ser um diferencial.Percebemos então que um comércio eletrônico de sucesso precisa estar sempre alinhado com o que acontece no mercado e as expectativas dos clientes. Um site responsivo, por exemplo, é um excelente fator de destaque para seu e-commerce. Clique aqui e acesse um artigo que preparamos sobre esse assunto.

201917Jun_Hosts.green_ctablog_v3