Se você realiza compras on-line com frequência, certamente já entrou em um site e, ao escolher o produto, percebeu que quem vendia não era realmente o site, mas sim outra loja. Saiba então que você teve contato com o que é marketplace.

Veja um exemplo real: você decidiu comprar um celular da marca X na Americanas.com. Por muito tempo, os aparelhos disponibilizados no site eram vendidos e entregues pelas próprias Lojas Americanas.

Atualmente, no entanto, ao buscar um celular no site, você verá algumas opções de lojas diferentes vendendo o aparelho, o que demandará que você escolha uma delas.

Geralmente aparece inclusive a informação “Vendido e entregue por” e o nome da loja que realmente está vendendo o celular. O site das Lojas Americanas então funcionou como uma vitrine.

Como dissemos, se você já passou por essa experiência, então já tem uma ideia sobre o funcionamento do marketplace. Se não, fique tranquilo! Neste artigo, vamos:

  • Explicar o que é marketplace;
  • Dizer quais são os tipos de marketplace;
  • Indicar quais são as vantagens de operar nesse modelo;
  • E apontar as desvantagens.

Boa leitura!

O que é marketplace?

O marketplace é como um shopping virtual. Ou seja, um site em que diversas lojas ofertam seus produtos, e o consumidor escolhe de quem ele irá comprar.

Para que o conceito fique claro, basta pensar no Mercado Livre. O consumidor busca por um produto na plataforma e encontra ofertas de diversas empresas.

Assim, ele consegue optar pelo fornecedor que lhe parecer mais vantajoso, ponderando a avaliação que esse fornecedor tem no site, o valor do frete, o prazo de entrega etc.

A pioneira em marketplace no mundo foi a eBay. Lançada em 1995, a companhia inicialmente reunia colecionadores e clientes que desejavam comprar itens raros.

A venda ocorria no formato de leilão, sendo baseada em lances. Com o passar do tempo, a plataforma evoluiu até ocorrer a compra direta de produtos.

Já no Brasil, uma das primeiras empresas a oferecer o serviço de marketplace foi o Mercado Livre, lançado aqui em 1999. Atualmente, a Amazon e a B2W (fusão entre Submarino Americanas.com ocorrida em 2006) também figuram entre as gigantes desse tipo de serviço no país.

No primeiro trimestre de 2019, por exemplo, o marketplace da B2W aumentou 52,2% em relação ao mesmo período de 2018 e atingiu 61,2% de participação no GMV total da companhia.

Você agora já conhece o que é marketplace. Mas saiba que nem que todos os modelos são iguais. Veja os tipos e características correspondentes a seguir.

Quais são os tipos de marketplace?

O que vai determinar quais os tipos de marketplace é justamente a categoria de negócio que será realizado pela plataforma. Assim, entre os principais, temos:

  • B2B – a sigla corresponde a Business to Business. É o modelo de plataforma que faz a intermediação de negócios entre duas empresas, que geralmente precisam repor estoque (contato com fornecedores) ou revender produtos. Ex.: MercaChefe.
  • B2C – sigla para Business to Consumer. Nesse modelo as empresas vendem diretamente para o cliente final. Ex.: Dafiti.
  • C2C – a sigla corresponde a Consumer to Consumer. Trata-se do modelo em que consumidores vendem para consumidores. Ex.: OLX.

Se você acaba de abrir uma empresa e está pensando em levá-la para o universo do marketplace, já pôde perceber que primeiro você precisa saber quem é seu cliente. Definir uma persona auxilia nesse processo.

Além disso, é interessante ponderar as vantagens e desvantagens desse modelo. Por isso, separamos algumas informações para você poder tomar a melhor decisão.

201917Jun_Hosts.green_ctablog

Quais as vantagens do marketplace?

O marketplace pode ser muito vantajoso para negócios que estão iniciando, justamente se querem expandir seu leque de visualizações e vendas. Conheça então algumas vantagens desse modelo de negócios.

Visibilidade

Essa é uma primeira vantagem imediata do marketplace. Quando você disponibiliza seus produtos para venda em sites grandes, como Amazon e Mercado Livre, abrange um grande leque de consumidores.

Diversificação de clientes

Essa vantagem é aliada à visibilidade. Estar em um marketplace permite que diversas pessoas tenham acesso ao seu produto, diversificando os clientes e descobrindo novos nichos de mercado.

Economia com marketing e publicidade

Aliando-se a um grande e consolidado marketplace, não há necessidade de investir boa parte do seu orçamento em publicidade para o site – como você faria em uma página própria.

Economia em funcionalidade

Criar um e-commerce do zero, pensando em layout, informações a serem inseridas, segurança e usabilidade, é bem mais trabalhoso – e dispendioso – do que utilizar uma plataforma já pronta.

Credibilidade

Reflita: se você fosse comprar um celular pela internet, investiria o valor do aparelho em um site pouco confiável ou em uma plataforma já renomada no mercado?

Com certeza, o consumidor não quer correr o risco de perder dinheiro. Por isso, vender seus produtos por meio de um site renomado e confiável aumenta a credibilidade do seu negócio – e, em consequência, suas vendas.

E quais as desvantagens desse modelo?

À primeira vista e com os benefícios que listamos, parece não haver decisão melhor do que adotar o modelo marketplace em sua empresa. No entanto, existem algumas desvantagens:

Comissão por vendas

É evidente que uma plataforma não permitiria que você vendesse seus produtos de graça. Afinal de contas, ela é um negócio e, como todos eles, precisa ter retorno financeiro.

Por isso, quem vende em marketplace precisa pagar uma comissão para a plataforma, que pode chegar a 25% do valor do produto dependendo do site.

No Mercado Livre, por exemplo, paga-se uma tarifa também para anunciar, dependendo do tipo de anúncio contratado. Ele também cobra pela gestão da venda referente ao uso do Mercado Pago.

Dependência

Se o único canal de vendas da empresa é o marketplace, ela acaba se tornando dependente dele.

Se o site resolve encerrar as atividades, por exemplo, o negócio vai precisar se reestruturar para encontrar outra forma de disponibilizar seus produtos para os clientes.

Enfraquecimento da marca

Ao estar inserido em um grande marketplace, o negócio menor acaba perdendo a força de sua marca.

Por mais que o site mostre você é o vendedor, o cliente pode desconsiderar essa informação ou até esquecê-la. É comum ainda que ele indique o marketplace como ótimo fornecedor, e não você.

Assim, ao pensar em adotar ou não marketplace, é bom ponderar se você quer fortalecer sua marca no mercado ou se quer tornar suas vendas mais robustas.

Poucos dados sobre a experiência do cliente

É importante que sua empresa saiba se a experiência do cliente no site foi positiva ou não, certo?

No marketplace, porém, você não tem o controle desse processo, já que a efetivação da compra é feita pela plataforma. Assim, você acaba não tendo acesso a esses dados.

Você pôde ver que a decisão de escolher ou não operar no modelo de negócios do marketplace é algo que deve ser bem ponderado por você. Avalie bem as diversas variáveis para decidir pela melhor opção.

Agora que você sabe o que é marketplace, deve estar pensando em como criar um marketplace de sucesso, não é? Uma das partes mais importantes é o atendimento ao cliente. Um bom sistema de chamados pode ajudar na gestão das solicitações dos clientes. Por isso, leia o conteúdo exclusivo que preparamos sobre esse assunto: Sistema de chamados: 5 motivos para você contratar um.

201917Jun_Hosts.green_ctablog_v2